30 de abril de 2014

MY OPINION ON ROSETTA STONE

Texto em Português mais abaixo   
Scroll down for text in Portuguese


PRACTICAL RESULTS vs PERSONAL OPINIONS

The purpose of my experiment, as I said in the first post of my blog (The Challenge), was to show PRACTICAL RESULTS of Rosetta Stone without making any kind of judgment. I tried to report exactly what Rosetta Stone was doing to me without expressing whether that was good or not. I did this because, as I said, it’s very hard indeed to find this kind of information on the internet – most Rosetta Stone reviews express very personal opinions and tastes that sometimes are really far from practical. Of course there are some very good reviews out there and my own opinion was influenced by them – so not everything I’ll mention here is new.

But it's rare to find testimonials of people who have finished all the five levels saying exactly what Rosetta Stone can do. For example, I have never found a single video of a person demonstrating the language knowledge acquired with this course. So that’s what I did. (Click here to watch.)

But now that I have finished the course, I have experienced more closely the good, the bad and the ugly of Rosetta Stone. So I guess it would be nice to share my opinion with you readers.


NO GRAMMAR AND NO TRANSLATION – GOOD OR BAD?

François Gouin and the traditional method
What if you tried to learn a foreign language by memorizing thousands of words from the dictionary, all the rules from a grammar book and then translated classical literature? What would the results be? Would you ever accept this challenge? A French linguist from the 19th century, François Gouin, did it! His goal was to learn German, so he went to Germany. But instead of talking to the Germans, first he memorized more than 200 irregular verbs, 30 thousand words from a dictionary, all the rules from a grammar book and finally translated Goethe and Schiller. Then he went to talk to people, but instead of answers, he received nothing but laughter. He could not speak or understand the language. Frustrated, he returned home, to France, and there he got more perplexed: in the same amount of time he was trying to learn German and failed, his baby nephew had learned to speak French fluently. This fact made him have an insight: by analyzing how his little nephew was learning French so well as a first language, he hypothesized that we can benefit from learning a second language in a similar way. François Gouin then became one of the pioneers in developing methods that simulate a more “natural” way of learning a foreign language.

Gouin was a Latin teacher, and in order to learn German he followed the same method he used to teach Latin: the grammar-translation method, the oldest and most traditional in language learning. This method had its importance: to prepare the student to read and translate literature. But, as we can see from Gouin’s experience, this way of learning does very little in developing the student’s ability to communicate in the language. 

Rosetta Stone is the total opposite of that: no grammar, no translation, no student’s first language. Like François Gouin, the developers of Rosetta Stone believe that we can benefit from learning a foreign language in a similar way we learn our first language: by associating the language directly to concepts and experiences, without any instruction or other language mediating the process, just by using our intuition.


Grammar and language analysis 

I’m a language teacher. On the first day of an Esperanto course I used to teach, a student asked me: “How are we going to learn Esperanto? First you’ll teach us the sounds, then the words, the grammar rules and finally the sentences, right?” - “Not really.” My student had the traditional notion of how languages should be taught: by analyzing grammar rules, structures and vocabulary – the ability to communicate would hopefully result from that. 

Modern methods tend to work the other way around: to actually use the language in a meaningful situation and then analyze how it works. Rosetta Stone never brings such analysis. I believe that grammar explanations do very little in developing communication skills in the beginning of the learning process, but in more advanced levels, they become essential to continue the progress. But I don’t think that grammar and language analysis are a bad thing from the very first lesson as long as the communication element is always there.


Translation

Ask anyone who speaks more than one language fluently: “Do you have to translate things in your mind when you speak or try to understand the foreign language?” If you speak more than one language, you know that the answer is NO. If you speak a foreign language fluently and understand it well, it means that you are able to THINK DIRECTLY in the foreign language. Since my first language is Portuguese and I speak English as a second language, many people have asked me: “When you read in English, don’t you have to translate to Portuguese in your mind to be able to understand?” Well, if I tried to do that, for example while reading a book, I would spend an enormous amount of time and energy, so I doubt I would ever finish reading it. Or (who hasn’t gone through this situation!) watching a movie or listening to a song in a foreign language, and the person next to you says: TRANSLATE! (as if you were a translation machine) COME ON! DON’T YOU SAY YOU SPEAK THIS LANGUAGE?! - Little does this person know that translating and understanding are very different processes. Perhaps this notion was influenced by the traditional grammar-translation method. Being able to understand everything does not mean you are able to translate everything. Making a translation means that you have to think it up again in another language – and that may involve lots of aspects related to language structure, cultural context, etc.

Some modern methods still bring translations, but ultimately, to speak the language fluently you have to think directly in the language, that is, you have to associate words with their corresponding concepts without any translation. I’ve tried such methods – it’s a much faster way to understand a word or sentence simply by having its translation - it’s also a much faster way to forget! Just reading a translation is not as impacting as having to guess the meaning of a word or sentence by associating it with images. 

After I finished Rosetta Stone, I started studying a book with grammar explanations and translations. As I read, I thought: “Oh… so this is what I was doing all this time!” So I had a feeling of reward because the explanations made so much sense for me and they were so easy to understand. These explanations would not make much sense and sure would be more difficult if I tried to understand them first thing without actually knowing how to use the language. And the translations served as a confirmation of my guesses.

MY VERDICT: Rosetta Stone’s having no grammar and no translation may be positive for some people starting to learn a language. Exhaustive grammar explanations do very little in developing a person’s ability to communicate, especially in the beginning. But at a more advanced point in the learning process, the learner will need to look for materials that bring grammar analysis to go further. The use of translation may be a more precise and faster and way to understand, but also a faster way to forget - having to guess the meaning of a word or sentence by associating it with images may have a greater impact in the memory. However, I can’t see any harm in using translations as a last tool to confirm what is difficult to guess.

DIFFERENT LEARNING STYLES – IS ROSETTA STONE FOR YOU?


Some people like to have everything explained explicitly right from the beginning. They don’t like the “guessing game” of Rosetta Stone in which you have to use your intuition to understand - they claim it would be much easier and faster to have things just explained. And if they don’t understand something, they get stuck and feel frustrated with the program – they will probably give up.

I myself hate having to read or try to understand explanations especially when I don’t know the language very much. I prefer to USE THE LANGUAGE rather than analyze how it works. I’m not really interested in knowing why things work this or that way when I actually haven’t seen them working at all. I prefer to make things work first, and then learn how they work. For me, having grammar explanations when I actually cannot use the language is like learning how the motor of car runs without actually knowing how to drive. I prefer to drive first.


Guessing game: love it or hate it!

I like to see the learning process as a game in which I have to put together the pieces of a puzzle, only using my intuition to decode the language. I will work harder this way to have my reward: the understanding. If I don’t understand something, I just go ahead and try to understand later. I don’t feel any frustration because I’m sure I’ll understand at some point in time, also I don’t believe I need to understand everything. But when I finally understand, it is so much rewarding that it will be hard to forget! I feel more challenged this way than just having things given away. I can’t see much challenge or reward in just having some straight explanation given to me. That probably won’t cause much impact in my mind and I’ll easily forget. Straight explanations take away the fun of the “guessing game”. But that doesn’t match everyone’s learning styles - some people just hate to play that game.
VERDICT: If you like to have everything clear and well explained right from the beginning, you will probably hate Rosetta Stone. But if you don’t like explanations and prefer to use your intuition to decode the language, Rosetta Stone is for you.

WHAT ROSETTA STONE LACKS


As I said so far, Rosetta Stone lacks grammar explanations and translation. But this can actually be something positive depending on the person’s learning style. Now I’ll mention things that Rosetta Stone lacks that cannot be positive for any learner.

No immediate focus on conversation

If you are going to a foreign country, say, next month, and just want to learn some key sentences to communicate, I wouldn’t recommend Rosetta Stone. The program won’t teach you essential sentences for conversation right from the beginning. So if you are looking forward to learning such sentences right away, this course isn’t for you. 

In the beginning, you will learn things like: the sky is blue, the grass is green, the ball is red, the boy is running, the woman is swimming, etc. Such sentences aren’t very useful for a conversation, but they show grammar and vocabulary in a simple way and sooner or later you will have to come across them if you want to learn more than just basic conversation. 

VERDICT: The first few lessons of Rosetta Stone don’t focus on conversation. Instead, they bring simple sentences to introduce grammar and vocabulary notions. So if you don’t mind learning these things before learning essential sentences for conversation, maybe you’ll enjoy the program. Anyway, you will sure practice conversation in future lessons - so this cannot be considered an absolutely negative point of the course.

No cultural aspects

As many people point out, this is one of the biggest problems of Rosetta Stone. They use the same set of pictures for different languages. So you’ll learn Italian, for example, looking at pictures from the United States, mostly I guess. Then you’ll move on to French, or German, and you’ll see that the pictures and situations are the same. When we learn a language, generally we are also interested in knowing about the culture associated with that language: the food, the clothes, the places, the monuments, the religion, the ideas, the habits, etc. You will not learn any of these with Rosetta Stone.
VERDICT: The developers or Rosetta Stone definitely failed when they overlooked cultural aspects related to each language. But this is not a major problem for those who intend to supplement their study with other materials that are culturally relevant. 

No authentic material in the language

With Rosetta Stone, you will only be in contact with a very strictly controlled spoken language and artificial dialogues recorded in a studio. You will never be in contact with authentic material where the language presents itself in real life. When we study a new language, it’s very important that we get used to authentic material, because this is where we’re are really going to use the language: reading real texts from magazines, newspapers, internet… watching videos, movies, the news… talking to real people. We study a new language to use it in real life, right? So we need to learn it with samples extracted from real contexts. Of course we can benefit a lot in learning the basics from an artificially controlled language sample, but in more advanced studies we get to a point where being in contact with authentic material is the only way to achieve a high level of proficiency. The limited structure and method of RS does not permit such approach. 
VERDICT: Rosetta Stone only brings a strictly controlled language recorded in a studio, which could be positive to learn the basics. It never brings authentic material, which is essential to reach a higher level of proficiency.

No colloquialisms or idioms

With Rosetta Stone, you’ll never learn idiomatic expressions and other similar peculiarities from the language and culture you are interested in. Colloquial language or informal language is what people use most of the time in their normal everyday lives with their family members and friends. 

After I finished Rosetta Stone, I moved on to other material, and I learned idioms like the following from the beginning:
  • Grazie mille (literally: thank you a thousand times) – thanks a lot.
  • Siamo al verde (literally: we are in the green) – we have no money.
  • Il film è un giallo (literally: The movie is a yellow) – The movie is a thriller/detective story. A famous publishing house in Italy started publishing a collection of detective stories in books with yellow covers. So the word for “yellow” (giallo) refers today to this kind of story.
  • Lei recita maledettamente bene. - Literally: She acts “terribly” well... that is, she is extraordinary. 
This is the kind of language people use in real situations and which you may be very interested in learning. Rosetta Stone will never bring you those, since all courses are mere translations from one another, so it cannot deal with such language peculiarities. You will only learn the formal language. 
VERDICT: Not teaching idiomatic expressions is another major negative point of Rosetta Stone. Again, supplementation with other materials become necessary. 

IS ROSETTA STONE WORTH THE MONEY? 


Rosetta Stone may be very expensive comparing to other language softwares. But, comparing it to what language schools and what private teachers charge, at least where I live, it does not seem that expensive. 

The online course in Brazil is being sold at R$849,00 for 12 months – with online practice with a native speaker. I contacted a language school in my city just this week and asked about their prices – the student will have to pay exactly R$1238,00 for one level or school semester (four months of study, two classes of 1h15min per week). Private teachers charge from R$30,00 to R$50,00 per hour. In the end of the day, Rosetta Stone costs a fraction of that. Of course these are very different kinds of learning experiences – so it’s necessary to balance the pros and cons of each. 
VERDICT: Rosetta Stone is expensive comparing to other language softwares, but not so expensive compared to what language schools and private teachers charge. 

IS ROSETTA STONE THE FASTEST WAY TO LEARN A LANGUAGE?

 

I spent around 130 hours (in five months) to finish all five levels of the course. But is this time really worth it? I do believe there are faster ways to learn a language (and less expensive too). But how many hours of study are necessary to learn a language? "Cambridge ESOL said that each level is reached with the following guided learning hours: A2, 180–200; B1, 350–400; B2, 500–600; C1, 700–800, and C2, 1,000–1,200". Wikipedia

Considering we need more than 1000 hours of study to speak a language really well (reaching level C1 or C2), I can say the results with Rosetta Stone were satisfactory after 130 hours, because I can communicate in the language, and my test results reflect what is expected from the program (Level B1 entering B2 according to the developers of the course). Of course we have to consider that these online tests which I took may not be very reliable, also my native language is Portuguese, so probably I'd need less time to reach a certain level of Italian than an English native speaker would need. But by studying less than one hour per day, it's possible to finish the course in five months (following the standard curriculum). Who doesn't have one hour a day to study? Five months is a short time. So I guess the biggest issue is not really the "time", it's all about discipline - that's the most difficult thing (at least for me!). 
VERDICT: Cambridge ESOL said that we need from 180 to 200 hours of study to reach level A2. I finished Rosetta Stone in 130 hours and did well in exams of level B1 and B2. So I have to say this amount of time was satisfactory. 

CAN I RECOMMEND ROSETTA STONE? 


As we can see, Rosetta Stone has several shortcomings, but we can make up to all of them by looking for other materials to enrich our learning. So I wouldn’t recommend that people study solely with Rosetta Stone. I can recommend it as a start. After finishing it or even while studying it, you have to be ready to look for other materials. 

So if you don’t intend to look for a supplementation later, maybe you should look for something more complete: something that brings more dialogues, texts, explanations and cultural aspects. Video courses are generally the best: you will see the actors simulating real life situations you are likely to encounter in the language-speaking world you may want to take part. 

Homeschool (for parents) 
I recommend Rosetta Stone for parents who want their children to learn a new language. The program is easy to follow without a guide or a teacher, so you don’t need any experience in teaching. Your only job will be to get your children to sit in front of the computer and hit the start button. The program will do the rest. The activities are very intuitive, so hopefully there is very little need of instructions on how to do them. The program generates a detailed study report, so parents can always keep track of their children’s progress, their grades and how much time they spent on each activity. So there is no way children can skip things or pretend they are studying. 

However, I wouldn’t recommend it for very small kids, but rather for young teens. I have a teenage niece who lives with me and I am making her study English for about 30 minutes a day. At first, she didn’t want to study, even after trying to explain to her about the importance of it. So I decided to cut out what apparently she can’t live without: the internet. I changed the wifi code every day and only gave it to her after she finished the Rosetta Stone activities I assigned. It was her choice: no study, no internet! Well, she is already in the middle of level 2 – at this point she’s got used to it and I don’t even need to ask her to study nor do I have to cut the internet. At first she was mad – today she comes to me and proudly says she is one of the best students in her English class at school. 
VERDICT: Rosetta Stone may be a good start. So I can only recommend it for those who will be ready to supplement their learning with other materials. It’s also a good tool for parents who want to force encourage their good for nothing teenage kids to study a language.

                                                                                                                                 
                                                                                                                                 
(Texto em Português)


MINHA OPINIÃO SOBRE O ROSETTA STONE



RESULTADOS PRÁTICOS vs OPINIÕES PESSOAIS

O propósito do meu experimento, conforme afirmei na primeira postagem deste blog (O Desafio), era mostrar RESULTADOS PRÁTICOS do Rosetta Stone sem fazer qualquer julgamento. Eu tentei relatar exatamente o que o Rosetta Stone estava fazendo comigo sem expressar se isso era bom ou ruim. O que me motivou a fazer isso, como já disse, foi o fato de que é muito difícil encontrar esse tipo de informação na internet – a maioria das avaliações sobre o Rosetta Stone não expressam muito mais do que opiniões e gostos pessoais que muitas vezes não são muito práticos. Claro que existem por aí avaliações muito boas e que influenciaram minha própria opinião – então nem tudo que vou dizer aqui é novidade.

O fato é que é difícil encontrar depoimentos de pessoas que terminaram os cinco níveis falando exatamente sobre o que o Rosetta Stone pode fazer. Por exemplo, eu nunca encontrei um só vídeo de alguém demonstrando o conhecimento que adquiriu com o curso. Então eu fiz isso. (Clique aqui para ver.)

Mas agora que terminei, posso dar minha opinião com melhor conhecimento de causa. Eu pude perceber melhor os pontos positivos do método e também suas limitações. Seria interessante compartilhar isso com os leitores.

SEM GRAMÁTICA E SEM TRADUÇÃO – BOM OU RUIM?


François Gouin e o método tradicional 
E se você tentasse aprender uma língua estrangeira memorizando milhares de palavras de um dicionário, todas as regras de um livro de gramática e depois traduzisse literatura clássica? Quais seriam os resultados? Você aceitaria o desafio? Foi exatamente o que fez François Gouin, um linguista francês do século XIX. Seu objetivo era aprender a falar Alemão, estão foi para a Alemanha. Mas em vez de falar com os alemães, primeiro ele memorizou uma lista de 200 verbos irregulares, 30 mil palavras do dicionário, todas as regras de um livro de gramática e finalmente traduziu Goethe e Schiller. Depois saiu para conversar com as pessoas – mas em vez de respostas, recebeu risos. Ele não conseguia falar ou entender a língua. Frustrado, voltou para sua casa na França onde ficou ainda mais perplexo: no mesmo em tempo que ele estava tentando aprender Alemão e falhou, seu sobrinho pequeno aprendeu a falar Francês fluentemente. Esse fato fez com que ele tivesse uma iluminação: analisando como seu sobrinho aprendia Francês tão bem, ele levantou a hipótese de que podemos aprender melhor uma segunda língua de maneira similar como aprendemos a primeira. François Gouin tornou-se assim um dos pioneiros no desenvolvimento de métodos que simulam uma forma mais “natural” de aprender línguas estrangeiras. 

Gouin era professor de Latim, e a fim de aprender Alemão ele seguiu o mesmo método que usava nas suas aulas: o método da gramática e tradução, o mais velho e tradicional na aprendizagem de línguas. Esse método possui sua importância: preparar o estudante para ler e traduzir literatura. Mas, como podemos ver pela experiência de Gouin, essa forma de aprender não parece ser muito eficiente no desenvolvimento da habilidade de se comunicar na língua. 

O Rosetta Stone é o oposto disso: sem gramática, sem tradução, sem a primeira língua do aluno. Assim como François Goiun, os desenvolvedores do Rosetta Stone acreditam que podemos nos beneficiar ao aprender uma língua estrangeira com um método que simule o mesmo processo de aquisição da nossa primeira língua: associando a linguagem diretamente a conceitos e experiências, sem qualquer instrução ou outra língua mediando o processo, apenas usando nossa intuição. 

Gramática e análises da língua 

Sou professor de língua. No primeiro dia de um curso de Esperanto que eu estava ministrando, um aluno me fez esta pergunta: “Como vamos aprender Esperanto? Primeiro você nos ensinará os sons, depois as palavras, as regras gramaticais e finalmente vamos montar frases, certo?” – “Não exatamente.” Meu aluno tinha a noção tradicional de como línguas devem ser ensinadas: analisando-se regras gramaticais, estruturas e vocabulário – a habilidade de se comunicar surgiria como uma mera consequência desse processo. 

Métodos mais modernos tendem a funcionar de forma inversa: em vez de ir da gramática para a língua, vão da língua para a gramática – a língua é colocada em prática baseando-se em modelos de situações verdadeiramente comunicativas e depois analisa-se seu funcionamento. O Rosetta Stone, porém, nunca faz essa análise, apenas mostra a língua em prática. Creio que explicações gramaticais contribuem muito pouco no desenvolvimento de habilidades comunicativas no início do processo de aprendizagem. Porém em níveis mais avançados, análises gramaticais tornam-se essenciais para que os conhecimentos da língua sejam aprofundados. Mas também não acredito que gramática e análises da língua sejam algo negativo já de início desde que o elemento comunicativo sempre esteja presente. 

Tradução 

Faça esta pergunta a qualquer pessoa que tem fluência em mais de uma língua: “Você precisa traduzir mentalmente quando fala ou tenta entender a língua estrangeira?” Se você fala mais de uma língua, sabe bem que a resposta é NÃO. Se você fala uma língua estrangeira fluentemente e entende bem, significa que você consegue PENSAR DIRETAMENTE na língua estrangeira. Já que minha primeira língua é o Português e eu falo Inglês como segunda língua, muitas pessoas me perguntam: “Quando você lê em Inglês, você precisa traduzir mentalmente tudo para o Português para conseguir entender?” Bem, se eu tentasse fazer isso, por exemplo lendo um livro, eu gastaria uma quantidade enorme de tempo e energia – duvido muito que eu conseguisse chegar ao fim do livro fazendo isso. Ou então (quem nunca passou por esta situação?) assistindo a um filme ou escutando uma música na língua estrangeira, a pessoa ao seu lado diz: TRADUZA! (como se você fosse o Google translator) E AÍ? NÃO É VOCÊ QUE DISSE QUE SABE ESSA LÍNGUA? – Talvez essa pessoa nem suspeite que traduzir e entender podem ser processos bem diferentes. Essa noção provavelmente tenha surgido do método tradicional da gramática e tradução. Conseguir entender tudo não é o mesmo que conseguir traduzir tudo. Fazer uma tradução significa ter que pensar tudo de novo em uma outra língua – e isso pode envolver vários aspectos estruturais, culturais, etc. 

Existem métodos modernos que ainda fazem uso da tradução, mas no fim das contas falar uma língua fluentemente significa que você deverá pensar diretamente nela, isto é, você deverá associar as palavras com seus conceitos correspondentes sem qualquer tradução. Eu experimentei métodos assim – é muito mais fácil entender uma palavra ou frase simplesmente analisando sua tradução – mas também é muito mais fácil de se esquecer! O mero ato de ler uma tradução não é tão impactante para nossa memória quanto ter que adivinhar o significado de uma palavra ou frase associada a imagens. 

Depois que eu terminei o Rosetta Stone, eu comecei a estudar um livro que traz explicações gramaticais e traduções. À medida que eu lia, eu pensava: “Ah... então era isso que eu estava fazendo esse tempo todo!” Então eu tive um sentimento de recompensa porque as explicações faziam todo sentido para mim e eram tão fáceis de entender. Essas explicações não fariam tanto sentido e certamente iriam parecer muito mais complicadas se eu tivesse tentando entendê-las já de início sem ter qualquer conhecimento intuitivo de como usar a língua de fato. E as traduções serviram como uma confirmação daquilo que eu já havia adivinhado. 
MEU VEREDITO: O fato de o Rosetta Stone não trazer tradução e explicações de gramática pode ser positivo para algumas pessoas que estão começando a aprender uma língua. Explicações gramaticais exaustivas contribuem muito pouco para o desenvolvimento da habilidade de se comunicar, especialmente no início. Mas em um ponto mais avançado do processo de aprendizagem, o estudante deverá procurar materiais que tragam análises gramaticais para poder prosseguir. O uso da tradução pode ser uma forma mais rápida de entender, mas também é uma forma mais rápida de esquecer – ter que adivinhar o significado de uma palavra ou frase associando com figuras pode ter um impacto maior na nossa memória. No entanto, não vejo problema em usar a tradução como um último recurso para confirmar o que parece ser difícil adivinhar.

DIFERENTES ESTILOS DE APRENDIZAGEM – O ROSETTA STONE É PARA VOCÊ? 

Algumas pessoas preferem ter tudo explicadinho nos mínimos detalhes desde o começo. Elas não gostam desse “jogo de adivinhação” do Rosetta Stone no qual você deve usar sua intuição para entender – essas pessoas dizem que é muito mais fácil e rápido que as coisas sejam explicadas de forma direta. E se elas não entendem algo, não conseguem prosseguir e ficam frustradas com o programa – provavelmente irão desistir. 

Eu mesmo odeio ter que ler e entender explicações principalmente quando ainda tenho bem pouco conhecimento da língua. Eu prefiro USAR A LÍNGUA muito mais do que analisar seu funcionamento. Não tenho muito interesse em saber por que as coisas funcionam deste ou daquele jeito quando na verdade nunca vi a língua funcionar de forma alguma. Eu prefiro colocar a língua em funcionamento primeiro e só depois aprender como funciona. Para mim, analisar explicações gramaticais quando eu não sei usar a língua de fato é como aprender o funcionamento do motor de um carro sem de fato saber como dirigir. Eu prefiro dirigir primeiro. 

Jogo de adivinhação: ame-o ou odeie-o! 
Eu gosto de ver o processo de aprendizagem como um jogo no qual eu tenho que encaixar as peças de um quebra-cabeça, usando somente minha intuição para decodificar a língua. Eu vou me esforçar mais dessa forma para ter minha recompensa: o entendimento. Se eu não entender algo agora, simplesmente sigo em frente e tento entender mais tarde. Não me sinto frustrado porque tenho certeza que vou entender no futuro, e também não creio que eu precise entender tudo. Mas quando eu finalmente entender, será tão gratificante que dificilmente vou me esquecer! Sinto-me mais desafiado desta forma do que simplesmente ter tudo entregue nas mãos. Não consigo ver muito desafio ou recompensa quando as coisas são explicadas de forma direta. Isso provavelmente não vai causar tanto impacto na minha memória e vou esquecer rápido. Explicações diretas acabam tirando a graça do “jogo de adivinhação”. Mas isso não se encaixa com o estilo de aprendizagem de todos – algumas pessoas odeiam brincar com esse jogo. 
VEREDITO: Se você gosta de ter tudo claro e bem explicado desde o início, você provavelmente irá odiar o Rosetta Stone. Mas se você não gosta de explicações e prefere usar sua intuição para decodificar a língua, o Rosetta Stone é para você. 

O QUE FALTA NO ROSETTA STONE 


Salientei até este ponto que o programa carece de explicações gramaticais e tradução. Mas isso na verdade pode ser um aspecto positivo dependendo do estilo de aprendizagem do estudante. Mencionarei agora algumas coisas que o Rosetta Stone não tem e que não podem ser positivos para ninguém. 


Sem foco imediato na conversação 

Se você pretende visitar um país estrangeiro, digamos, no mês que vem e só quer aprender algumas frases essenciais para se comunicar, eu não recomendaria o Rosetta Stone. O programa não traz frases essenciais para a conversação desde o início. Então se você procura esse conhecimento de imediato, este curso não é para você. 

No começo, você irá aprender coisas como: o céu é azul, a grama é verde, a bola é vermelha, o menino está correndo, a mulher está nadando, etc. Frases assim não são muito úteis para a conversação – por outro lado, mostram a gramática e o vocabulário de uma forma simples e mais cedo ou mais tarde você deverá tomar conhecimento de frases desse tipo se quer mais do que uma conversação básica. 

VEREDITO: As primeiras lições do Rosetta Stone não possuem foco na conversação. Em vez disso, trazem frases simples para introduzir noções gramaticais e de vocabulário. Então se você não se importa de aprender essas coisas antes de aprender frases essenciais para a conversação, talvez você simpatize com o programa. De qualquer forma, você irá praticar conversação em lições futuras. Então esse não é um ponto absolutamente negativo. 

Ausência de aspectos culturais 

Como muitos apontam, esse é um dos maiores problemas do Rosetta Stone. As mesmas imagens são usadas para se ensinar diferentes línguas. Então você irá aprender Italiano, por exemplo, observando fotos tiradas nos Estados Unidos (a maior parte delas, acredito). Depois você irá estudar Francês... Alemão... e vai perceber que as imagens e as situações são as mesmas. Quando aprendemos uma língua, geralmente também estamos interessados em saber sobre a cultura que essa língua carrega: os alimentos típicos, as roupas, os lugares, os monumentos, a religião, as ideias, os hábitos, etc. Você não vai aprender nada disso com o Rosetta Stone. 
VEREDITO: Os desenvolvedores do Rosetta Stone definitivamente falharam ao desconsiderar aspectos culturais relacionados com cada língua. Mas isso não se caracteriza como um problema irremediável para aqueles que pretendem suplementar seus estudos com outros materiais culturalmente relevantes. 

Ausência de material autêntico na língua 

Com o Rosetta Stone, você terá contato com uma língua estritamente controlada e diálogos artificiais gravados em estúdio. Você nunca terá contato com material autêntico onde a língua se apresenta na vida real. Quando aprendemos uma nova língua, é muito importante ir se acostumando com materiais autênticos, porque é aí onde iremos realmente usar a língua: lendo textos de revistas, jornais, internet... vendo vídeos, filmes, notícias... conversando com pessoas reais. Estudamos uma nova língua para usá-lo no mundo real, certo? Então precisamos aprender de amostras extraídas de contextos reais. Claro que podemos nos beneficiar muito aprendendo o básico a partir de uma linguagem artificialmente controlada, mas em níveis mais avançados de estudo chegaremos num ponto onde estar em contato com materiais autênticos é a única forma de alcançar um alto nível de proficiência. A estrutura limitada do método do Rosetta Stone não permite essa abordagem. 
VEREDITO: o Rosetta Stone só traz uma língua estritamente controlada gravada em estúdio, o que pode ser positivo para se aprender o básico. O programa nunca traz materiais autênticos, o que é essencial para se alcançar um alto nível de proficiência. 

Ausência de coloquialismos ou expressões idiomáticas 

Com o Rosetta Stone, você nunca irá aprender expressões idiomáticas ou outras peculiaridades similares da língua ou cultura de seu interesse. Linguagem coloquial ou linguagem informal é o que as pessoas usam na maioria das vezes em situações normais da vida diária com sua família e amigos. 

Depois que eu terminei o Rosetta Stone, comecei com outro material, e aprendi desde o início expressões como estas: 
  • Grazie mille (literalmente: Obrigado mil vezes) – muito obrigado
  • Siamo al verde (lit.: Estamos no verde) – Não temos dinheiro.
  • Il film è un giallo (lit.: O filme é um amarelo) – É um filme policial. Uma famosa editora na Itália passou a publicar romances policiais em livros com capas amarelas. Então a palavra para “amarelo” (giallo) se refere hoje a esse gênero.
  • Lei recita maledettamente bene. – Lit.: Ela atua malditamente bem, ou seja, ela é extraordinária. 
Esse é o tipo de linguagem que as pessoas usam em situações reais e que você pode ter bastante interesse em saber. O Rosetta Stone nunca aborda isso, já que todos os cursos são meras traduções uns dos outros, então não é possível lidar com esses tipos de peculiaridades de cada língua. Você só vai aprender a linguagem formal. 
VEREDITO: Não trazer expressões idiomáticas é outro grande fator negativo do Rosetta Stone. Outra vez, a suplementação com outros matérias se faz necessária. 

O ROSETTA STONE POSSUI UM PREÇO JUSTO? 


Se comparado com outros programas de aprendizagem de línguas, o Rosetta Stone é bastante caro. Mas comparando com o que cobram as escolas e os professores particulares, pelo menos onde moro, não parece ser tão caro. 

O curso online no Brasil está sendo vendido hoje por R$849,00 por 12 meses – dispondo de prática online com um falante nativo. Por curiosidade, entrei em contato com uma escola de idiomas da minha cidade e perguntei sobre os valores - o aluno deve desembolsar R$1238,00 por apenas um módulo ou semestre escolar (4 meses de estudo, duas aulas de 1h15min por semana). Professores particulares cobram de R$30,00 a R$50,00 por hora. No fim das contas, o Rosetta Stone custa uma fração disso. Claro que essas são experiências de aprendizado bastante diferentes – daí precisa-se pesar as vantagens e desvantagens de cada uma. 
VEREDITO: O Rosetta Stone é caro se comparados com outros programas de aprendizagem de línguas, mas não parece ser tão caro se comparado com o que cobram as escolas e os professores particulares. 

O ROSETTA STONE É A FORMA MAIS RÁPIDA DE SE APRENDER UMA LÍNGUA? 

Eu level 130 horas (em cinco meses) para terminar todos os cinco níveis do curso. Mas todo esse tempo vale a pena? De fato acredito que possam existir formas mais rápidas para se aprender (e também menos caras). Mas quantas horas de estudo são necessárias para se aprender uma língua? "Cambridge ESOL afirma que cada nível pode ser alcançado conforme os seguintes números de horas de aprendizagem: A2, 180–200; B1, 350–400; B2, 500–600; C1, 700–800, e C2, 1,000–1,200". Wikipedia

Considerando que precisamos de mais de 1000 horas de estudo para falar uma língua realmente bem (alcançando o nível C1 ou C2), posso afirmar que os resultados com o Rosetta Stone foram satisfatórios depois de 130 horas, porque eu posso me comunicar na língua, e meus resultados em testes refletem o que é esperado do programa (nível B1 entrando no B2 conforme os desenvolvedores do curso). Claro que devemos considerar que esses testes online que eu fiz podem não ser muito confiáveis, também minha língua nativa é o Português, então é bem provável que eu precise de muito menos tempo para alcançar um certo nível de Italiano do que um falante nativo de Inglês, por exemplo. Mas estudando menos de uma hora por dia, é possível terminar o curso em cinco meses (seguindo o currículo Standard). Quem não tem uma hora por dia? Cinco meses é um tempo curto. Então acredito que o maior problema não seja o “tempo”, mas sim a disciplina – isso é o mais difícil (pelo menos para mim!) 
VEREDITO: Cambridge ESOL afirma que precisamos de 180 a 200 horas de estudo para alcançar o nível A2. Eu terminei o Rosetta Stone em 130 horas e obtive bons resultados em exames de nível B1 e B2. Então devo dizer que essa quantidade de tempo é satisfatória. 

POSSO RECOMENDAR O ROSETTA STONE? 

Como podemos ver, o Rosetta Stone possui várias falhas, mas podemos compensar todas elas procurando outros materiais para enriquecer nossa aprendizagem. Então eu não recomendaria que se estude usando somente este programa. Posso recomendar como um começo. Depois de concluir o curso ou mesmo durante, você deve estar pronto para procurar por outros materiais. 

Então se você não pretende procurar por uma suplementação, talvez seja melhor utilizar um material mais completo, que traga mais diálogos, textos, explicações e aspectos culturais. Vídeo-cursos geralmente são os melhores: você verá atores simulando situações reais que você provavelmente encontrará no universo linguístico no qual você quer entrar. 

Ensino em casa (para pais) 
Recomendo o Rosetta Stone para pais que querem que seu filhos aprendam uma nova língua. É fácil seguir o programa sem precisar do auxílio de um guia ou professor, então você não precisará ter qualquer experiência no ensino. Seu único trabalho será fazer seu filho se sentar na frente do computador e apertar o botão iniciar. O programa vai fazer o resto. As atividades são intuitivas, então não há muita necessidade de instrução sobre como realizá-las. O software gera um relatório de estudos detalhado, então os pais sempre vão poder se informar sobre o progresso de seus filhos, suas notas e quanto tempo passaram em cada atividade. Então não haverá como seu filho pular lições e mentir que fez ou fingir que está estudando. 

Porém, eu não recomendaria o curso para crianças muito pequenas, mas sim para pré-adolescentes adiante. Eu tenho uma sobrinha adolescente que mora comigo e estou fazendo ela estudar Inglês por aproximadamente 30 minutos por dia. No começo ela não queria estudar, mesmo eu explicando a ela sobre a importância disso. Então decidi cortar o que aparentemente ela não consegue viver sem: a internet. Eu mudava a senha wifi todos os dias e só fornecia depois que ela terminasse as atividades do curso conforme prescrevi. Era uma escolha dela: sem estudo, sem internet! Bem, hoje ela está no meio do nível 2 – neste ponto ela já se acostumou e eu nem preciso mais pedir pra que ela estude e nem preciso mais cortar a internet. No começo ela ficou furiosa – hoje ela vem dizer pra mim com orgulho que se tornou uma das melhores alunas na aula de Inglês da escola. 
VEREDITO: O Rosetta Stone pode ser um bom começo. Então só posso recomendar para aqueles que estarão prontos a suplementar sua aprendizagem com outros materiais. O curso pode ser também uma boa ferramenta para pais que querem forçar incentivar que seus filhos  vadios estudem uma língua. 

3 comentários:

  1. adorei essa revisão amigo. bem..falamos tanto em falar,entender e papapa...esquecemos da escrita. como está a sua escrita? vc consegue entrar num chat italiano e conversar,ter uma longa conversa(escrevendo)? ou também a sua conversa escrita é limitada como a sua fala??? abraço....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro... a escrita é limitada como a fala. Mas na escrita existe a vantagem de poder pensar mais, reler, reformular... então acaba saindo melhor. E a ortografia do italiano não é das mais fáceis, algumas coisas parecem sem sentido como as várias letras duplicadas - então eu errava bastante durante o curso nos exercícios de escrita. Tenho feito amizade virtual com alguns italianos, mas pra conversar com eles uso corretor ortográfico e o próprio tradutor do google quebra um galho. No fim dá pra gente se entender. Entender as línguas latinas é muito fácil para nós que falamos português, mas fazer uma confusão com elas na hora de falar ou escrever parece ser uma realidade mesmo. Eu já estudei espanhol também, então faço uma bagunça. hahaha Quando me comunico com algum italiano, já faço a advertência (com uma mistura proposital): Yo no parlo italiano! Hablo PORTUNHOLIANO.

      Excluir
  2. Parabens pela matéria e o experimento. Estou no nivel 2 do Rosetta em Ingles. Utilizo o Anki para anotar/decorar as frases do curso. E assisto desenho com o meu filho de 6 meses em ingles. Ele adora The Backyardigans. A sua sobrinha já terminou o Rosetta? Como está o ingles dela. Abraço

    ResponderExcluir